20.01.2017 - 13:11

Aumentar fonte Aumentar fonte Diminuir fonte Diminuir fonte


Região entre os mares de Paraty e Santos tem histórico de quedas de avião, afirma especialista

Os corpos de três dos cinco ocupantes do helicóptero — o piloto Jorge Comeratto, o ex-ministro Severo Gomes e o de dona Mora — foram encontrados nas primeiras 48 horas de busca. O de Henriquetta foi achado cinco dias depois. Mas o corpo de Ulysses nunca foi encontrado.



Acidentes como o ocorrido na tarde desta quinta-feira, que matou o ministro do Supremo e relator da Operação Lava-Jato na Corte, Teori Zavascki, vitimaram políticos e outras personalidades brasileiras na região entre Paraty, na Costa Verde do Rio de Janeiro, e Santos, em São Paulo. O caso de maior repercussão no litoral sul do Estado do Rio aconteceu em 12 de outubro de 1992, quando o helicóptero que transportava o deputado Ulysses Guimarães e sua mulher, Mora, caiu no mar próximo a Angra dos Reis, provavelmente entre Paraty e Ubatuba, litoral norte paulista. Na aeronave também estavam o senador Severo Gomes e sua mulher, Ana Maria Henriquetta.

Os corpos de três dos cinco ocupantes do helicóptero — o piloto Jorge Comeratto, o ex-ministro Severo Gomes e o de dona Mora — foram encontrados nas primeiras 48 horas de busca. O de Henriquetta foi achado cinco dias depois. Mas o corpo de Ulysses nunca foi encontrado. As buscas se estenderam por 21 dias. Além dos corpos das quatro vítimas, foram recolhidos pequenas partes da aeronave e documentos pessoais na costa de Trindade, em Paraty.

Também na mesma região, em julho de 2001, próximo a Maresias, no litoral norte paulista, a queda do helicóptero que transportava o empresário João Paulo Diniz, do grupo Pão de Açúcar, deixou dois mortos: a modelo Fernanda Vogel, namorada de Diniz, e o piloto Ronaldo Jorge Ribeiro. O empresário sobreviveu. Em fevereiro do mesmo ano, a queda de um ultraleve deixou paraplégico o cantor e compositor Herbert Vianna e matou sua mulher, Lucy, entre Mangaratiba e Angra do Reis.

Em novembro de 2013, o empresário Eduardo Uliano, fundador da empresa Day Brasil, seu filho Gabriel e o piloto Alvarindo Locatelli morreram após o bimotor que viajavam rumo ao Campo de Marte, na capital paulista, caiu pouco depois de decolar de Paraty.

Em uma tragédia que entrou para a História da política brasileira e mudou o cenário da campanha eleitoral de 2014, o candidato do PSB à presidência da República, Eduardo Campos, morreu em 13 de agosto daquele ano quando o avião em que viajava caiu em Santos, no litoral de São Paulo. No acidente que matou Eduardo Campos morreram mais seis pessoas: quatro assessores de campanha, o piloto e o copiloto. Na queda, o jato atingiu 13 casas, e dez pessoas ficaram feridas, todas sem gravidade.

Quedas de aeronaves com políticos e personalidades também ocorreram em outras regiões do país. Em 8 setembro de 1987, na região de Carajás, no Pará, o ministro Marcos Freire morreu na explosão do avião em que viajava, após a decolagem. O desastre ocorreu a apenas cinco quilômetros da cabeceira da pista do aeroporto. Titular da pasta da Reforma Agrária, o pernambucano Freire morreu junto com o presidente do Incra, José Eduardo Raduan, e outros funcionários do ministério.

Já em 1982, outro acidente de helicóptero: Clériston Andrade, candidato ao governo da Bahia pelo PDS (apoiado pelo poderoso Antônio Carlos Magalhães), morreu a poucas semanas da eleição.

GiroPb com O Globo
 


Comentários

Colunistas

ver todos os colunistas

Vídeos

ARIANO SUASSUNA POR ELE MESMO

ARIANO SUASSUNA POR ELE MESMO


OS ZÉ DA PARAÍBA

OS ZÉ DA PARAÍBA


ver todos os vídeos