12.09.2017 - 07:14

Aumentar fonte Aumentar fonte Diminuir fonte Diminuir fonte


Joesley Batista e executivo Ricardo Saud chegam a Brasília para ficar presos à disposição da Justiça

Eles foram presos neste domingo (10) em São Paulo e levados nesta segunda em um avião da Polícia Federal para Brasília, onde ficarão presos por pelo menos cinco dias.



O empresário Joesley Batista, um dos do donos do grupo J&F, e o executivo da empresa Ricardo Saud chegaram a Brasília no início da tarde desta segunda-feira (11).

Eles foram presos neste domingo (10) em São Paulo e levados nesta segunda em um avião da Polícia Federal para Brasília, onde ficarão presos por pelo menos cinco dias.

Joesley e Saud tiveram a prisão temporária decretada pelo ministro Luiz Édson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Eles devem permanecer detidos ao menos por cinco dias, mas a prisão temporária pode ser prorrogada ou até mesmo convertida em preventiva, que não tem prazo determinado para terminar.

Na última semana, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, anunciou que revisaria os acordos de delação premiada dos executivos, com base na gravação de uma conversa na qual Joesley e Saud dão a entender que omitiram informações nos depoimentos à Procuradoria-Geral da República (PGR).

Nos diálogos, há trechos em que os executivos falam sobre Marcelo Miller, ex-procurador da República, que supostamente estava orientando os dirigentes da J&F a elaborar os termos de delação premiada, quando ainda fazia parte do MPF.

Em nota, as defesas de Joesley e Saud disseram que “não mentiram nem omitiram informações no processo que levou ao acordo de colaboração premiada e que estão cumprindo o acordo”.

Em Brasília, Joesley e Saud devem ser submetidos a exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) para verificar em que condições foram detidos. Só depois, eles devem ser levados para a superintendência da Polícia Federal, onde ficarão detidos.
 ‘Recepção’

Na porta da superitendência da PF, três manifestantes aguardavam os executivos com cartazes contra a corrupção. Eles erguiam frases como: “Joesley, a Papuda te espera”, numa referência ao presídio do Distrito Federal.

Segundo o autônomo Joaquim José Gomes, um a intenção é “recepcionar” o dono da J&F.

“Estamos comemorando a prisão de Joesley. Antigamente só prendiam pretos e pobres. Hoje, estão indo [presos] brancos ricos e poderosos também”, afirmou o manifestante.

G1
 


Comentários

Colunistas

ver todos os colunistas

Vídeos

XANGAI E MACIEL MELO. UM SOM....

XANGAI E MACIEL MELO. UM SOM....


SALVE ZÉ MARCOLINO E LUIZ GONZAGA

SALVE ZÉ MARCOLINO E LUIZ GONZAGA


ver todos os vídeos