15.05.2017 - 06:56

Aumentar fonte Aumentar fonte Diminuir fonte Diminuir fonte


Delação em Curitiba: petistas apostam em ataque de Antonio Palocci a Lula e ao partido

A indignação dos petistas com o ex-ministro aumenta diante das suspeitas que pesam contra Palocci. Ao contrário do ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto, preso por supostamente operar o esquema de caixa 2 do PT, Palocci é acusado de enriquecimento pessoal.



A delação de Antonio Palocci é dada como certa entre petistas desde a semana passada. Na abertura da etapa paulista do 6.º Congresso Nacional do PT, na sexta-feira da semana passada, a “traição” do ex-ministro era um dos assuntos principais. Em tom que variava entre a indignação e a resiliência, petistas comentavam que Palocci iria entregar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em troca do acordo com o Ministério Público Federal.

A certeza dos petistas vem de recados dados por pessoas próximas ao ex-ministro da Fazenda (Lula) e Casa Civil (Dilma Rousseff) e também pela lógica da exclusão. Segundo eles, Lula é o único alvo que a Lava Jato ainda não conseguiu alcançar e Palocci, dada a proximidade com o ex-presidente até bem pouco tempo atrás, poderia preencher lacunas que dariam mais solidez às denúncias contra Lula.

A indignação dos petistas com o ex-ministro aumenta diante das suspeitas que pesam contra Palocci. Ao contrário do ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto, preso por supostamente operar o esquema de caixa 2 do PT, Palocci é acusado de enriquecimento pessoal.

Sob a condição de sigilo, petistas dizem que o ex-ministro quer preservar seu patrimônio, em grande parte acumulado no período dos governos do partido, ao tentar o acordo de delação premiada.

Preso político. Mesmo assim o PT estadual de São Paulo aprovou um texto no qual Palocci, Vaccari e José Dirceu são tratados como “presos políticos”. Segundo dirigentes, foi uma tentativa de acalmar o ex-ministro.

Dado o amplo acesso que Palocci tinha a Lula, correligionários avaliam que o estrago da delação será grande, podendo levar à inviabilização da candidatura do petista à Presidência em 2018.

‘Não sei’. Já no entorno de Lula a torcida é para que o ex-ministro poupe o ex-presidente. Um ex-auxiliar do círculo mais próximo ao petista disse esperar que Palocci diga somente a “verdade”.

E a “verdade”, segundo essa fonte, é que o “ex-presidente Lula sempre disse para ele cuidar desse negócio (de dinheiro para campanhas), que não queria saber de onde veio o dinheiro e que o PT que se virasse para financiar seus candidatos”.

De acordo com interlocutores de Lula, Palocci e depois Guido Mantega foram encarregados de gerenciar o caixa 2 petista justamente para preservar e blindar o ex-presidente.

Outra certeza petista é que a delação de Palocci vai ampliar muito o escopo da Lava Jato trazendo para o olho do furacão setores do empresariado nacional com quem o ex-ministro tinha grande proximidade e que até então passaram ilesos pelas investigações de Curitiba. O principal deles é o setor financeiro.

TRAJETÓRIA

Prefeito – Após ser vereador e deputado estadual, o médico Antonio Palocci elege-se prefeito do município paulista de Ribeirão Preto em 1992, sempre pelo PT, partido do qual foi um dos fundadores.

Lula – Palocci assume novamente a prefeitura de Ribeirão Preto em 2001 e fica no cargo até março de 2002, quando se licencia para coordenar a campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, substituindo o prefeito de Santo André, Celso Daniel, assassinado naquele ano.

Ministro – Com a vitória de Lula, Palocci assume o Ministério da Fazenda em 2003. Em sua gestão, o ministro petista mantém as diretrizes macroeconômicas do Plano Real.

CPI dos Bingos – No início de 2006, Palocci é convocado a depor na CPI dos Bingos, suspeito de liderar esquema de superfaturamento de contratos de empresas de coleta de lixo durante a gestão dele na prefeitura de Ribeirão Preto. Três anos depois, o Supremo Tribunal Federal (STF) arquiva inquérito instaurado contra ele.

Caseiro – Em março de 2006, Palocci pede demissão após ser acusado de ter quebrado o sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa, que havia desmentido declarações do então ministro na CPI e confirmado a participação dele em reuniões com lobistas em Brasília. Em 2009, é absolvido neste caso.

Dilma – Palocci é escolhido coordenador da campanha presidencial vitoriosa da então candidata petista Dilma Rousseff em 2010.

Ministro de novo – No governo Dilma Rousseff, Palocci assume o Ministério da Casa Civil em 2011. Apenas cinco meses depois, ele pede demissão do posto após denúncias de enriquecimento ilícito.

Lava Jato – Palocci é preso em setembro de 2016 na Operação Omertà, 35ª fase da Lava Jato, por indícios de irregularidades em suas relações com a Odebrecht. Agora, ele decide fazer delação premiada.

Estadão


Comentários

Colunistas

ver todos os colunistas

Vídeos

ARIANO SUASSUNA POR ELE MESMO

ARIANO SUASSUNA POR ELE MESMO


OS ZÉ DA PARAÍBA

OS ZÉ DA PARAÍBA


ver todos os vídeos